BIO

Samba como lugar por Rodrigo Campos

Em 2005, aproximadamente, tentei fazer meu primeiro disco. Já havia lançado em 2003 um disco chamado “Urbanda”, em que dividia a autoria com outros quatro artistas: Luisa Maita, Morris Piccioto, Douglas Alonso e Marcos Paiva. Achei que seria o momento de arriscar um primeiro trabalho solo. Ainda muito ligado ao samba, fui pro estúdio pra gravar as bases sozinho: violão, cavaco e percussão. Já estavam ali algumas músicas que estariam no “São Mateus...”, que viria a ser, de fato, meu primeiro disco. Enveredei na empreitada imbuído de um espírito de confiança que se esvaiu ao final do primeiro dia, quando escutei o resultado. Me deparei com minha falta de experiência, não sabia nem identificar o que estava errado, mas entendi que não conseguiria fazer esse disco dessa maneira. Três anos depois entraria novamente em estúdio, dessa vez guiado pela experiência e talento do genial Beto Villares, iniciando assim minha discografia solo.

Os anos se passaram, fiz outros discos, mas aquele, que seria meu primeiro, interrompido pela minha inexperiência, nunca me saiu da cabeça. Volto a ele agora, 13 anos depois, e, confrontando o medo gerado na escuta daquele fatídico dia de gravação em 2005, avanço até o fim. Aquele processo almejado, em que gravaria as bases sozinho, se mostrou eficiente enfim. Ainda conto com parceiros inestimáveis, como Carlos “Cacá” Lima, por exemplo, na engenharia de som, mas pude caminhar e chegar ao que posso chamar de meu primeiro disco de sambas. Alguns amigos tem me perguntado se existe um lugar, como em outros trabalhos (São Mateus, Bahia, Japão), e tenho respondido que, se existe, o lugar é o próprio samba. Talvez o único lugar onde eu ainda acesse a criança em mim, ao lembrar quando batucava os baldes da minha mãe ao lado dos amigos de infância, Bimba e Sidnei, nas esquinas de São Mateus, antes da complexidade que a vida tem se tornado.

Me despeço com um trecho de uma das letras, em que esse lugar ganha um pouco de forma:

"Ouro, pedra, esplendor

Casa velha, meu jardim

Um indício, outro amor

Sobrevive tudo em mim

Não desejo assim

Feriado Nacional

O menino esteve aqui

Não falou, mas vai voltar

Disse: “nada tem um fim

Tem outro estopim”
 

Press Kit (português)

Press Kit (english)


 

 

x
x
x
x
x
x
x

DISCOS


9 Sambas – 2018

 

Sambas do Absurdo – 2017

 

Conversas com Toshiro – 2015

 

 

São Mateus não é um lugar assim tão longe – 2009

 

Agenda

Fotos

t13

t13

t14

t14

t15

t15

t16

t16

t17

t17

t18

t18

Vídeos


9 SAMBAS - episódio 1


Curta! Música – Rodrigo Campos


UiaTV - Rodrigo Campos - Conversas com Toshiro


Rodrigo Campos - Show Bahia Fantástica


Rodrigo Campos - Bahia Fantástica - Parte 1 (doc)


Rodrigo Campos e Criolo "Ribeirão"


Pelas Tabelas – Kiko Dinucci & Rodrigo Campos (parte 01)


Pelas Tabelas – Kiko Dinucci e Rodrigo Campos (parte02)

Contato



agenciamento / booking:
Agogô Cultural


contato@agogocultural.com.br
+55 11 3495 7895


Imprensa / press:
Namidia Assessoria


heloisa@namidiacom.com.br
+55 11 3034 5501